O efeito Meiken no Shiatsu – parte. 1

25 Nov, 2022
Reading Time: 10 minutes

Não é raro que os receptores de Shiatsu sintam efeitos pós-tratamento. Quando isso acontece, não há motivo para preocupação, pois é sinal de um tratamento altamente eficaz, e o corpo/mente passa por efeitos reguladores mais ou menos intensos. Os japoneses chamam-lhe efeito Meiken. Neste artigo profundo e fascinante, resultado do 1º workshop da Universidade de verão, exploramos os séculos e a história em busca deste efeito regulador natural.


Por Bernard Bouheret

“Todos os seres vivos do cosmos são animados por um fluxo ininterrupto de Ki ou força vital. Como resultado, mesmo uma pequena estagnação pode causar doenças ou, no caso de um bloqueio, a morte.”

Anpuku Zukai – Shinsai Ota

Para começar, vamos fazer um breve estudo de caracteres. Meiken (pronuncia-se Meigen) em japonês, ou Míng xuàn em chinês, escreve-se 瞑 眩. O 1º carácter está associado à meditação, a ter os olhos fechados, enquanto o 2º pode ser traduzido como atordoado, deslumbrado, desmaiado. Note-se que ambos têm à sua esquerda a chave do olho, que na medicina chinesa indica tanto o estado de Shen como, portanto, a saúde do indivíduo.

Vamos ser claros desde o início: Míng xuàn/Meiken é visto como um passo positivo no processo de cura. É desta “força vital” em ação que o anpuku zukai fala. O Meiken é visto como um efeito desintoxicante e regulador, que se baseia na função de autorregulação e auto-reparação do corpo. É um efeito de ricochete. O tratamento gera uma ação que desencadeia uma reação. Os mestres japoneses dizem que, sem uma reação, não pode haver cura. Curar significa regressar ao centro, e isso só pode ser conseguido indo e voltando ao centro. Não podemos reequilibrar-nos sem passar por uma fase de reajustamento, depois tudo regressa ao centro com o tempo, e quanto maior for o desequilíbrio, maior será o tempo. Nunca esqueçamos que a base do equilíbrio é o movimento. Por conseguinte, a cura é movimento, e a cura é mudança, mesmo que cause algumas sequelas pelo caminho.

Medicamentos naturais

Todos os sintomas são possíveis e podem durar algumas horas, alguns dias, algumas semanas ou mesmo mais. Isto deve ser distinguido dos efeitos secundários dos medicamentos, que não estão relacionados com o efeito Meiken. Para ilustrar melhor o nosso ponto de vista, temos de voltar à história da nossa própria medicina, quando acreditávamos no poder curativo do corpo, aquilo a que os antigos chamavam “medicatrix naturae”.

Asclepius alias Aesculapius, god of medicine, divination and water

Hipócrates de Kos (460-377 a.C.), cujo famoso juramento os médicos fazem, acreditava que um organismo não é passivo perante uma lesão ou uma doença, mas reequilibra-se para lutar contra elas. A doença, portanto, não é uma doença, mas um esforço do organismo para superar um equilíbrio perturbado. É esta capacidade dos organismos de corrigir os desequilíbrios que os distingue da matéria não viva.

A doença é, portanto, um “efeito Meiken natural” para recuperar a saúde. Sabemos, por exemplo, que as doenças infantis são necessárias e bem-vindas para que a criança possa desenvolver um bom sistema imunitário para o resto da sua vida. Daqui deriva a abordagem médica segundo a qual “a natureza é o melhor médico” ou “a natureza é a curadora das doenças”. Para tal, Hipócrates considerava que o principal objetivo de um médico era ajudar esta tendência natural do corpo, observando a sua ação, removendo os obstáculos à sua ação e permitindo assim que um organismo recuperasse a sua própria saúde através dos seus próprios esforços.

Este era também o pensamento dos antigos médicos chineses e é, de facto, o que é tratado nos primeiros 11 capítulos do Su Wen. Encontra-se também na medicina ayurvédica e em todas as medicinas tradicionais ancestrais. A ideia principal por detrás desta visão é que o Homem é um Pequeno Universo sujeito às mesmas leis que o Grande Universo.

“O corpo do homem é um pequeno universo e o universo é um grande corpo”, diz o Su Wen (500-200 a.C.).

“Nada está separado de nada, e o que não compreendes no teu corpo, não compreenderás em mais lado nenhum”, dizem os Upanishads (800-500 a.C.) da Índia antiga.

Depois de Hipócrates, a ideia de “vis medicatrix naturae” continuou a desempenhar um papel fundamental na medicina.                       

Depois de Hipócrates, Galeno (131-201) é a maior figura da medicina antiga. Foi o médico pessoal do imperador Marco Aurélio, em Roma. Os seus estudos anatómicos sobre animais e as suas observações sobre as funções do corpo humano dominaram a teoria e a prática médica durante catorze séculos. Contrariamente a Hipócrates, a sua terapêutica baseava-se na utilização dos opostos: “contraria contrariis curantur” (os opostos curam-se pelos opostos); como as plantas medicinais ocupavam um lugar especial no arsenal terapêutico, esta parte da farmacopeia é ainda hoje conhecida como “farmácia galénica” e os herboristas estudavam as “formas galénicas”.

 Hildegarde von Bingen (1098-1179) fez disso o centro das suas visões e intuições. É considerada a primeira naturalista da Alemanha. Era também médica, e os seus dons duplos de herborista e curandeira tornaram-na uma das mais reputadas do seu tempo. A sua medicina combinava elementos eruditos de grandes autores com a medicina tradicional local.

“O corpo é a casa da alma, com uma porta, janelas e uma chaminé. A alma faz entrar e sair os pensamentos pela porta (o coração), o cérebro é a chaminé da alma que discerne e evacua os maus pensamentos. As janelas trazem a luz… os olhos são as janelas da alma. Vê-se a alma de um homem nos seus olhos”. 

Uma semelhança impressionante com a descrição chinesa de Shen, não é? O Nei Jing Su Wen diz-nos: “O Shen pode ser lido no brilho dos olhos”, daí a escolha dos caracteres que vimos no início.

Algumas pessoas idosas conseguem manter intacto esse brilho, mas têm de manter um equilíbrio sustentável em que a ligação corpo-mente está intimamente interligada.

E que dizer desta visão do Homem no mundo?

No seu “Livro das Obras Divinas”, ela expõe as suas ideias em visões cósmicas. A organização do Universo e a natureza do Homem têm a sua origem comum na criação divina. Os dois não podem ser separados: embora diferentes em tamanho, foram construídos de acordo com as mesmas proporções. Um princípio de analogia universal faz do Homem um pequeno mundo dentro do grande mundo, um microcosmo dentro do macrocosmo. O homem é o espelho do mundo que reflecte através da organização do seu corpo.

Num dos seus manuscritos, encontramos um homem com os braços estendidos em círculo, recebendo todas as influências cósmicas, cujo desenho foi mais tarde modernizado por Leonardo da Vinci no “Homem Vitruviano”.

No início da Renascença, o médico e primeiro cientista Paracelso (1493-1541) tinha esta famosa frase, que é resumida aqui: “Todas as coisas são veneno e nada está isento de veneno; apenas o grau em que algo não é veneno é determinado pela medida em que é tomado” (lembre-se que, em grego, Pharmakon significa tanto remédio como veneno). Na altura, opôs-se às ideias de Galeno e abriu caminho à medicina moderna.

Ambroise Paré (1510-1590), célebre cirurgião e pai da cirurgia, é mais conhecido pela sua célebre frase “Je le pansai, Dieu le guérit” (“Eu tratei-o, Deus curou-o”). Prova de que, no seu tempo, a ligação entre o Céu e a Terra estava de facto presente e que a porta para algo maior do que nós próprios está sempre aberta.

Um médico chinês teria substituído “Deus” por “Céu”. O ideograma do Céu mostra-o muito bem. O Céu é aquilo que é maior do que o Homem, mesmo quando ele é grande.

No século XIX, a vis medicatrix naturae foi interpretada como vitalismo e, sob esta forma, tornou-se a base do quadro filosófico da homeopatia, quiroprática, osteopatia e naturopatia.  Procure na Internet as palavras “vis medicatrix naturae” e encontrar-se-á no terreno do que hoje chamamos educadamente de medicina “alternativa” ou “complementar”, da qual o Shiatsu faz obviamente parte.

Relação com a homeostase

O fisiologista americano Walter Bradford Cannon cunhou pela primeira vez a palavra homeostase (Claude Bernard já tinha falado dela antes dele, mas sem usar esta palavra exacta) a partir das duas palavras gregas stasis (estabilidade, estado, posição) e homolos (igual, semelhante a e homoios, idêntico), no seu livro “A Sabedoria do Corpo” em 1926.

“Os seres vivos superiores constituem um sistema aberto com numerosas relações com o ambiente. As alterações do meio ambiente desencadeiam reacções no sistema ou afectam-no diretamente, provocando perturbações internas no sistema. Tais perturbações são normalmente mantidas dentro de limites estreitos, porque entram em ação ajustamentos automáticos dentro do sistema, evitando assim grandes oscilações, uma vez que as condições internas são mantidas mais ou menos constantes (…). As reacções fisiológicas coordenadas que mantêm a maior parte do equilíbrio dinâmico do corpo são tão complexas e tão particulares aos organismos vivos que foi sugerido que se utilizasse uma designação especial para elas: a de homeostasia”.

A noção de homeostasia de Walter Cannon também se inspira na vis medicatrix naturae. Nas suas próprias palavras:

“Tudo o que fiz até agora ao rever os vários mecanismos protectores e estabilizadores do corpo foi apresentar uma interpretação moderna da vis medicatrix naturae”.

Este termo é alargado à biologia para designar a caraterística de qualquer tipo de sistema, aberto ou fechado, que lhe permite regular o ambiente interno de forma a preservar uma condição estável. A estabilidade é conseguida através de vários mecanismos de regulação e de ajustamentos dinâmicos.

A homeostasia é um dos princípios fundamentais da fisiologia, uma vez que, se esta caraterística falhar, pode levar ao mau funcionamento de vários órgãos.

Um exemplo perfeito de homeostase é dado por Itsuo Tsuda, que cita nos seus escritos um investigador japonês que tinha descoberto a função da constipação comum, que era a de reequilibrar o corpo quando este perdia o seu equilíbrio esquerda-direita. Colocou os pés de cada um dos seus pacientes numa balança e, quando o desvio ultrapassava os 10%, verificou que se desencadeava uma constipação! A conclusão foi que o resfriado comum poderia ser uma função de homeostase e não apenas uma “onda de frio”.

Mais recentemente, a medicina identificou muitos sintomas médicos, como a febre, a inflamação, a fadiga e os enjoos matinais, como adaptações evoluídas que funcionam como medicatrix naturae, sendo seleccionadas como meio de proteger, curar ou restaurar o corpo ferido, infetado ou fisiologicamente perturbado.

A medicina farmacêutica e química moderna afastou-se desta noção e da capacidade do corpo para se curar a si próprio. Os “médicos clássicos” já não acreditam neste poder de cura. Acreditam apenas na química das suas receitas e, por vezes, negam os efeitos nefastos dos medicamentos.

Este é o enquadramento e podemos agora passar ao estudo do efeito Meiken.

                                                                                                                                 (Continua)


Notas

  1. Os Upanishads são textos antigos que constituem a base da religião hindu. Existem 108 textos considerados como os mais importantes. O significado da palavra é “vir e sentar-se respeitosamente aos pés do mestre para ouvir os seus ensinamentos”.
  2. Walter Bradford Cannon (1871-1945): Fisiologista americano e precursor dos famosos raios X. Desenvolveu, entre outros, o princípio da resposta de luta-fuga, que deu origem ao princípio do duplo constrangimento e, depois de Claude Bernard, ao conceito de homeostasia, nomeadamente em The Wisdom of the Body (1932). Este conceito de homeostase, um dos mais importantes da biologia e da fisiologia, é uma das chaves para o desenvolvimento do movimento cibernético (fonte Wiki).
  3. Itsuo Tsuda (1914-1984): filósofo, mestre de aikido, pintor e curandeiro apaixonado. Depois de ter viajado pelos Estados Unidos, estabeleceu-se em Paris, onde ensinou e escreveu 9 volumes sobre a sua escola de respiração (falar de Respiração, Ki), todos publicados pelo Courrier du livre, (publicados de 1973 a 2015). Em particular, popularizou as reacções involuntárias e automáticas do corpo, o katsugen undo.

Autor

Bernard Bouheret
Latest posts by Bernard Bouheret (see all)

Traductor

Fernanda Sousa-Tavares
Latest posts by Fernanda Sousa-Tavares (see all)

    Related Posts:

    Boletim de Notícias

    Se não quiser perder nenhum artigo, curso, entrevista ou informação sobre Shiatsu, subscreva a nossa newsletter.




      Ao continuar, está a concordar com a política de privacidade (ver)

      ×