Entrevista com Wilfried Rappenecker: uma visão europeia para o Shiatsu

15 Nov, 2023
Reading Time: 16 minutes

Wilfried Rappenecker é um dos gigantes do Shiatsu europeu. O seu nome está intimamente associado ao Shiatsu alemão e suíço, bem como ao enorme “Atlas do Shiatsu”, agora na sua 4ª edição. Médico de profissão, decidiu deixar tudo para fazer apenas Shiatsu, e então teve uma visão: o desenvolvimento do Shiatsu europeu, que era necessariamente diferente do japonês, também deveria ser possível. Assim, criou o Congresso Europeu de Shiatsu, que ao longo dos anos se tornou o maior congresso de Shiatsu da Europa. Descubra um homem de Shiatsu (estudante, praticante, professor) que fez muito pelo seu desenvolvimento.


Ivan Bel: Caro Wilfried, muito obrigado por ter dispensado o seu tempo para vir a esta entrevista. Para começar, gostaria que me falasse do seu início de vida.

Wilfried Rappenecker: Nasci no campo, perto de Colónia. Éramos uma família de oito filhos e eu era o quinto. Mais tarde mudámo-nos para Colónia, onde passei a minha juventude e metade dos meus estudos em medicina. Depois vivi 12 anos em Berlim, onde estudei medicina e trabalhei num hospital. Por fim, acabei em Hamburgo, onde ainda vivo. Entre os 24 e os 33 anos viajei muito, várias vezes estive fora durante um ano inteiro e em todos os continentes. Também passei meio ano em Nova Iorque para estudar Shiatsu com Ohashi.  

Quando era estudante de medicina, que tipo de especialidade escolheu?

Especializei-me em medicina geral e tirei um diploma especial para o efeito, e trabalhei como tal até ao início dos anos noventa.   

Como começou a sua aventura com o Shiatsu?

Tudo começou quando viajei para a Califórnia para passar férias, na primavera de 1981. Durante uma semana fiquei em Esalen, um lugar na costa do Pacífico entre L.A. e São Francisco que, para além de muitas outras coisas, deu origem à massagem Esalen. Lá vi pessoas a darem massagens no terraço sobre a costa do Pacífico. Parecia ótimo! Quando regressei a casa, disse a uma amiga: “Quero aprender a fazer massagens”. Era porque eu queria tocar. Sabe, numa unidade de cuidados intensivos, onde eu trabalhava nessa altura, nunca se tocava realmente nos doentes. Tocávamos-lhes durante o exame e o diagnóstico, mas não para cuidar deles. Calculávamos tudo, como a nutrição, a medicação, a respiração artificial, etc., mas não estávamos com eles, não lhes tocávamos.

O edifício do spa Esalen, que mais tarde se tornou no Instituto Esalen, foi o local de nascimento de várias massagens nos anos 60 e 70, incluindo a massagem californiana

Esta amiga era uma jornalista que trabalhava frequentemente em Nova Iorque. Quando lhe disse que queria aprender massagem, ela sugeriu: “Bem, faz um curso com aquele mestre japonês que temos em Nova Iorque; a massagem ainda podes aprender depois disso”. Assim, em Berlim, em agosto de 1981, comecei com o próprio Ohashi (leia a entrevista com Wataru Ohashi aqui). Ele veio de Nova Iorque. Era uma turma grande, com cerca de 40 alunos entusiastas. No início dos anos 80 isso era qualquer coisa. Depois deste curso, outros amigos disseram-me: “Agora encontraste um caminho para toda a tua vida”. “Estás louco?” Respondi: “Sou médico e adoro o meu trabalho”. Continuei a trabalhar num hospital, mas 6 anos mais tarde, em 1987, decidi fazer do Shiatsu a minha profissão.

Em 1989 em um workshop de Ohashi (C) W. Rappenecker

O que é que aconteceu para tomar esta grande decisão?

Bem, sabe, eu tinha de o fazer, era algo como uma voz forte dentro de mim durante esses seis anos, uma voz que trabalhava na minha mente aqui e ali até eu estar convencido da importância do toque.

Durante quanto tempo estudou com Ohashi Sensei?

De 1981 a 1984, em Berlim e em Nova Iorque, e depois convidei-o para alguns dos seus workshops em Hamburgo. Lembre-se que estávamos no início dos anos 80. Poucas pessoas conheciam o Shiatsu naquela época. Ohashi teve uma forte influência no Shiatsu nos países ocidentais, porque muitos dos professores de Shiatsu dos anos 90 até agora passaram pela sua formação.

Grupo de estudos Ohashiatsu, agosto de 1983. Seta vermelha no topo: Wilfried Rapoenecker. Fundo: Wataru Ohashi
(C) W. Rappenecker

No final da formação em Nova Iorque, pensei que ainda não tinha percebido o que era o Shiatsu. Então, decidi continuar os meus estudos e foi assim que conheci o meu próximo professor, Saul Goodman[i]. Ele era um antigo aluno de Ohashi (assim como de Michio Kushi), e o seu treino era praticamente o mesmo que o de Ohashi, mas combinado com macrobiótica. Aprendi muito estudando com Saul, sobre alimentação e sobre como lidar com a vida… Mas é claro que o meu interesse era o Shiatsu em primeiro lugar.

Só um segundo. Estava em Hamburgo, no norte da Alemanha, e foi para Kiental, no meio da Suíça? Calculei a distância entre os dois sítios, e são mais de 1000 km. Não teve medo de se fazer à estrada. Porque é que foi para lá?

Eu só queria aprender e entender mais sobre o Shiatsu. Foi por isso que fiz esta segunda formação. Na altura, não havia muitas escolas de Shiatsu na Europa. Mais tarde, ensinei anatomia, fisiologia e patologia na Escola de Shiatsu de Kiental, até que Saul me pediu para me tornar professor de Shiatsu e dar aulas de Shiatsu lá.

Sensei Ohashi dando um tratamento Shiatsu para o abade do Dai Bosatsu Zendo em agosto de 1983 (C) W. Rappenecker

Então, era um jovem recém-chegado ao Shiatsu em Hamburgo. O que é que fez nessa altura?

Abri uma escola de Shiatsu em Hamburgo. Lembro-me bem, foi na sexta-feira, 30 de fevereiro de 1987, uma noite de lua cheia. É verdade, verifiquei-o mais tarde (risos). Esta escola tinha duas filiais, uma em Hamburgo, a outra em Berlim, dirigida por Elli Mann-Langhof. No entanto, a filial de Berlim fechou rapidamente. Em Hamburgo, ao longo dos anos, a escola cresceu e cresceu e ainda está ativa.

 1º último ano em Hamburgo, 1992 (C) W. Rappenecker.

Como é que surgiu a Escola Internacional de Shiatsu em Kiental? Foi ideia do Saul Goodman?

Bem, não foi bem assim. Na verdade, é o bebé da equipa de Kientalerhof, que na altura se dedicava inteiramente à macrobiótica. Foi um grupo de pessoas que em 1985 fundou o Kientalerhof como um instituto macrobiótico. Uma dessas pessoas foi Mario Benetti, que ainda está ativo em Kientalerhof. Sabe, o Shiatsu era particularmente popular nos círculos macrobióticos nos anos 70, 80 e início dos anos 90[ii]. Convidaram Saul Goodman para iniciar uma formação de Shiatsu em Kiental, o que ele fez juntamente com muitos outros professores como Ray Ridolfi e outros.

Pode falar-me mais sobre Mario Benetti, por favor?

Ele era um partidário da macrobiótica, e ainda o é de certa forma. Ele e um grupo de pessoas decidiram comprar um velho hotel, o Kientalerhof, e geri-lo para organizar workshops no meio das montanhas suíças. É muito difícil gerir financeiramente um projeto destes com sucesso. De facto, o local foi à falência duas vezes. De todas as vezes, Mario recomeçou a aventura e tornou-a maior do que antes. Sem ele, o sítio não existiria de todo. E é fantástico porque, como já viram, o sítio é incrivelmente bonito.

Gosto muito de lá estar. Desde 1986, viajo para Kiental 3 ou 4 vezes por ano. Depois de me tornar diretor da escola de Kiental, passei a ir até 7 vezes por ano. Portanto, para as pessoas que aprenderam Shiatsu aqui, elas devem ter a impressão de que eu sempre estive lá, fazendo parte das paredes.

Qual foi exatamente a sua ideia por detrás da criação do Congresso Europeu de Shiatsu?

No ano 2000 eu estava no simpósio de Shiatsu em Berlim com 5 mestres japoneses. No final do simpósio, pensei que agora os professores europeus deveriam se reunir e mostrar o que eles têm a oferecer para o mundo do Shiatsu. Sugeri um Congresso Europeu de Shiatsu a Mario Benetti e ele aceitou imediatamente a ideia. E foi assim que o ESC começou em 2004.

4º ESC 2014 juntamente com Kerstin, a sua esposa + Eszter e Laszlo de Budapeste (C) W. Rappenecker

Porque é que quiseram promover os professores europeus?

Naquela altura, no início dos anos 2000, o Shiatsu europeu não estava ligado como está hoje em dia e não havia muito conhecimento sobre a situação do Shiatsu nos outros países. No simpósio de Berlim, toda a gente olhava para os mestres japoneses e dizia que eles eram excelentes, e de facto eram. Mas quase ninguém parecia ver a força e experiência nossa, europeus, no Shiatsu. O Shiatsu foi introduzido nos anos 70, ou seja, 30 anos antes do simpósio. No simpósio, havia participantes que praticavam Shiatsu há 20, 25 ou até 30 anos, mas os japoneses alimentaram-nos apenas com Shiatsu para iniciantes – como os Senseis japoneses tradicionalmente fazem.

É claro que alguns professores e praticantes europeus já tinham atingido um nível internacional, como Cliff Andrews [iii], Carola Beresford-Cook, Bill Palmer ou Chris Jarmey [iv], por exemplo. Mas eram apenas alguns. Para mim, o principal obstáculo ao desenvolvimento de uma compreensão europeia do Shiatsu deveu-se ao facto de estarmos demasiado à altura dos japoneses. Nessa altura, os praticantes e também muitos professores não eram suficientemente autoconfiantes para desenvolverem o seu Shiatsu à sua maneira. No meu entender, um sentimento esotérico de “o Shiatsu é maravilhoso” já não era suficiente; o potencial terapêutico do Shiatsu estava à espera de ser desenvolvido de uma forma criativa. Tal desenvolvimento não só tinha que seguir os nossos professores japoneses, mas também encontrar uma nova forma europeia, que é diferente da forma japonesa. Para este objetivo, parecia ser necessário que os europeus comunicassem muito mais diretamente uns com os outros e não indiretamente através dos seus professores japoneses ou americanos.

Estas foram as principais razões pelas quais decidi iniciar estes Congressos Europeus, e nos primeiros 4 CES não convidei professores japoneses ou americanos. Isto não é contra os nossos professores estrangeiros, de modo algum. Precisávamos apenas do nosso próprio espaço para desenvolver a coragem de percorrer o nosso próprio caminho europeu.

Quando eu era um jovem estudante de Shiatsu em França, no final dos anos 90, sempre ouvi dizer que se quiséssemos ter uma boa educação em Shiatsu deveríamos ir ao Japão ou à Alemanha. Nessa altura, era considerado o melhor do Shiatsu europeu.

Não tenho tanta certeza, francamente. O principal desenvolvimento do Shiatsu europeu nessa altura teve lugar no Reino Unido. Durante muitos anos, os professores e as escolas de lá eram mais avançados no Shiatsu do que em outros países da Europa. Mais tarde, porém, as coisas começaram a mudar.

Há um minuto atrás, estava a falar sobre a forma europeia de fazer Shiatsu. O que é que isso significa e qual é a força deste Shiatsu europeu?

Bem, podemos ver agora que o 7º Congresso Europeu de Shiatsu aconteceu em Kiental, quantos grandes professores temos aqui na Europa,  a compreensão e interpretação do Shiatsu na Europa  desenvolveu-se consideravelmente. Penso que o ESC desempenhou um papel importante neste movimento, reunindo as pessoas e, assim, apoiando a comunicação entre elas, também para além das fronteiras nacionais.

Este Shiatsu europeu está a desenvolver-se em diferentes direcções, o que é muito interessante de observar. Alguns são muito conservadores, orientados principalmente para o Japão. Outros são mais abertos a desenvolver a sua própria sensibilidade, tentando encontrar o que é correto para eles. Obviamente, em comparação com os japoneses, os europeus trabalham de forma diferente, pensam de forma diferente, lidam com as emoções ou a dor de uma forma diferente e têm uma abordagem diferente da vida. Por isso, é completamente normal que não ajam e não sintam como os japoneses. Então, é natural que a sua compreensão e prática do Shiatsu também sejam diferentes.

Esse desenvolvimento teve lugar e continua a ter lugar atualmente. Por exemplo, desenvolvemos novas abordagens técnicas no Shiatsu, estamos a analisar mais profundamente a relação entre quem dá e quem recebe de um ponto de vista ocidental, explorando a natureza do trabalho intuitivo e como tratar o trauma com o Shiatsu, etc. Agora, podemos falar sobre o que a Europa tem para oferecer ao mundo do Shiatsu.

Mas não acha que nos estamos a afastar demasiado das raízes japonesas? Alguns mestres dizem que já não reconhecem o Shiatsu.

Alguns deles dizem isso de facto, mas outros dizem que temos definitivamente algo novo para oferecer. Portanto, é possível ouvir as duas coisas. E, claro, o nosso Shiatsu é diferente. Fiz um tratamento a Kobayashi Sensei, um professor sénior da escola Namikoshi, que tinha 75 anos na altura, e depois do tratamento disse-me: “Não sei o que era isto, mas era muito bom”.

Tive esta conversa com professores da escola Namikoshi Shiatsu de Tóquio, e eles disseram-me que gostariam muito de vir à Europa para ver a evolução. Estou certo de que, a dada altura, teremos algumas trocas de impressões sobre isso. Mas passemos a outro assunto. É autor de vários livros e, entre eles, o mais famoso é o Atlas de Shiatsu. Eu sei que escrever um livro é uma grande aventura, mas o seu é uma aventura de peso. Diga-me como foi.

Antes de mais, é importante que eu não seja o único autor do Atlas de Shiatsu. Escrevi-o em conjunto com Meike Kockrick, uma professora sénior da nossa Escola de Shiatsu em Hamburgo. Pedi à Meike que me apoiasse neste projeto, porque me parecia um pouco grande demais para mim sozinho, e também porque precisava de alguém para discutir todos os detalhes. Decidi começar o Atlas depois de ter ensinado os fluxos dos meridianos de Masunaga por cerca de 14 anos em diferentes escolas. Não queria perder todo o material que desenvolvi ao longo dos anos para este ensino e, de certa forma, guardá-lo num livro deste género. Foi um trabalho intensivo de três anos em conjunto com a Meike. E com a editora, claro, especialmente no que respeita às ilustrações. Na primeira edição, de 2008, havia muitos erros. Felizmente, os leitores informaram-nos e ajudaram-nos a corrigir esses erros. Agora estamos na 4ª edição, e agora é um Atlas de Shiatsu muito bom.

No entanto, houve uma coisa que nos desiludiu. No prefácio, exprimimos o nosso desejo de realizar um debate animado e frutuoso sobre o conteúdo do atlas. Mas nunca ninguém nos contactou e não houve qualquer discussão. Sabe, quando se escreve um Atlas deste género, é preciso decidir onde colocar exatamente os meridianos, especialmente as extensões de Masunaga. Masunaga nunca completou o seu trabalho, por isso não sabemos ao certo onde os colocou. Nunca os descreveu com exatidão, e é por isso que muitas vezes existem diferentes opções. Tivemos de decidir seguindo a tabela de Masunaga, mas também a nossa própria experiência.

Para mim, é muito importante que falemos livre e abertamente sobre como vemos o Shiatsu e os meridianos e também sobre onde discordamos ou pensamos diferente dos outros. Não para criticar os outros, não faz sentido fazê-lo, mas para ter a certeza de que somos capazes de ver e aceitar pontos de vista diferentes.

É muito interessante que apele ao debate, porque o seu livro, talvez juntamente com o de Carola Beresford-Cooke, são os dois principais na Europa. Nem toda a gente está aberta a falar sobre o seu trabalho. Espero que receba mensagens de correio eletrónico após esta entrevista. Diga-me, como médico, acha que o Shiatsu está suficientemente maduro para colaborar com o mundo da medicina?

Sim, acredito que o Shiatsu está pronto. No entanto, não acho que a medicina tenha descoberto o Shiatsu ainda. O Shiatsu tem algo a oferecer para a medicina, mas é muito difícil colocar o pé na porta, o que nos permitirá aplicar o Shiatsu em hospitais, por exemplo, e os médicos podem ver o efeito positivo do Shiatsu nos processos de cura. Espero que no futuro isso aconteça, que tenhamos a oportunidade de provar que o Shiatsu não só ajuda pessoas saudáveis, mas também doentes. O Shiatsu apoia a cura após uma cirurgia, acidente ou pacientes que sofrem de cancro ou outra doença grave, para lidar com tratamentos médicos como a radiação ou ajudar os pacientes a encontrar uma saída para uma crise psicológica. O Shiatsu tem muito para oferecer.

Para avançarmos nessa direção, precisamos de estudos, porque, caso contrário, a medicina e as nossas sociedades não nos darão atenção. Para isso, precisamos de angariar dinheiro e essa é outra dificuldade.

Tratamento Shiatsu em 2006 (C) W. Rappenecker

Com base na sua longa experiência, como vê o lugar do Shiatsu no mundo atual?

Bem, para aqueles que o conhecem, é uma óptima ferramenta para a vida quotidiana, para aqueles que se encontram numa situação de vida difícil, mas também para pessoas que se sentem bem. Podemos trabalhar com clientes que vão desde pessoas completamente saudáveis até pessoas que estão gravemente doentes. Podemos apoiar todos eles de muitas formas diferentes. Outro exemplo: nas escolas, entre todas as outras atividades, o Shiatsu deve ser oferecido. As experiências com o Shiatsu nas escolas mostram que ajuda muito as crianças a serem mais calmas, mais sociáveis, etc. – não apenas para as crianças que mostram sinais de DHDA.  É uma ferramenta tão poderosa para tantas situações diferentes na vida, se soubermos como a utilizar corretamente. São precisos anos de estudo e prática para compreender e ver o seu potencial. Essa é a dificuldade. Espero sinceramente que, no futuro, possamos ir mais longe no nosso próprio desenvolvimento e que sejamos cada vez mais reconhecidos pela medicina e pela sociedade.

O que é necessário agora são profissionais que estejam dispostos a investir muita energia para dar ao nosso trabalho um enquadramento cada vez mais profissional. É isto que é especialmente necessário na Alemanha, atualmente. Onde estão os professores, praticantes e estudantes que se atrevem a levantar-se, a mostrar-se e a impulsionar o desenvolvimento de forma poderosa? Talvez a Suíça, onde desde 2015 o Shiatsu é reconhecido pelo Estado como terapia complementar, possa ser um exemplo para nós.

Thank you very much. It has been a pleasure and thoughtful discussion. Hope we can meet again soon.

It was my pleasure too.

A Jardinar na escola de Hamburgo, 2009 (C) W. Rappenecker

Notas

  • [i] Saul Goodman é um dos mais famosos professores americanos de Shiatsu. Fundou a International Shiatsu School, ensinou Shiatsu e Shin Tai bodywork. Entre outros, é autor de “The book of Shiatsu”.
  • [ii] A Macrobiótica foi fundada por George Ohsawa. Ele interessava-se pelo Shiatsu e a convergência das técnicas foi conseguida nomeadamente através dos trabalhos de Shizuko Yamamoto e Michio Kushi. A macrobiótica foi uma das principais forças motrizes da difusão do Shiatsu no Ocidente.
  • [Cliff Andrews foi também um dos primeiros e mais influentes professores europeus a difundir o Shiatsu em todo o continente, bem como na Austrália e nos EUA. Aluno de Pauline Sasaki, ele fundou o UK Shiatsu College e o Zen Shiatsu Chicago Faculty.
  • [Chris Jarmey é um professor de renome internacional e fundador da escola, estudou diretamente com Pauline Sasaki antes de fundar a Escola Europeia de Shiatsu em 1985. Embora já tenha falecido, muitos dos nossos actuais professores estudaram diretamente com ele e beneficiaram da sua experiência. Ele escreveu muitos textos respeitados sobre Shiatsu, Qi Gong e anatomia.


Autor

Ivan Bel

Traductor

Fernanda Sousa-Tavares
Latest posts by Fernanda Sousa-Tavares (see all)

    Related Posts:

    Boletim de Notícias

    Se não quiser perder nenhum artigo, curso, entrevista ou informação sobre Shiatsu, subscreva a nossa newsletter.




      Ao continuar, está a concordar com a política de privacidade (ver)

      ×