Reading Time: 10 minutes

A definição de coragem é muito variável de acordo com os tempos, sociedades e culturas, mas neste artigo estamos interessados ​​na coragem em nossa arte do Shiatsu.
É preciso coragem para praticar Shiatsu? Existe uma coragem do praticante e uma coragem particular do receptor? O tratamento exige coragem? Ao ilustrar seu ponto de vista com histórias de tratamento, o autor aborda essas questões cruciais para entender o compromisso que o Shiatsu exige dos dois protagonistas: o praticante e o paciente.

Artigo publicado na revista “Shiatsu Therapy Australian Association’s Pointers”, junho de 2022


Era um dia de primavera cinzento e chuvoso como há muitos em Bruxelas, capital da Europa, onde pratiquei Shiatsu durante quatorze anos. Uma paciente entre muitas outras me contou sobre seu problema: ela não conseguiu engravidar pela segunda vez e havia iniciado um processo de fertilização in vitro pela 8ª vez, sem sucesso. Ao ouvir isso, admirei seu desejo feroz de ter um filho, mas ao mesmo tempo não podia dizer a mim mesmo que, se a natureza não lhe concedeu essa possibilidade, deve haver uma boa razão. “Você vai me ajudar com minha nona fertilização in vitro?” Acho que começarei em duas semanas.” Eu era conhecido naquela época por ser relativamente proficiente em ajudar as mulheres a conceber. De cem casos, 98 delas finalmente puderam dar à luz e recebi anúncios de nascimento de cada uma das mães agradecidas, então tenho uma gaveta cheia de todos esses cartões. Fui inclusive por três anos seguidos  tema de tese de diploma  de parteiras do Hospital Universitário de Saint-Luc, o maior centro hospitalar da capital.

Pedi então que a pessoa adiasse o início da fertilização in vitro dois meses depois e viesse toda semana para ajudá-lo da melhor maneira possível. Finalmente, ela conseguiu engravidar e foi um grande momento de alegria para ela, mas algum tempo depois, percebeu-se que o embrião estava se desenvolvendo na cicatriz do parto anterior. Os médicos decidiram abortar quimicamente, e foi um grande sofrimento para ela.

Depois de um mês chorando ela caiu em si e voltou para me pedir para ajudá-la a se preparar para sua décima fertilização in vitro. Depois de um silêncio, respondi: “Não. Se a natureza não o quisesse, não se deveria insistir e a maior coragem de hoje consiste em  aceitar isso.” Fui insultado por 5 minutos e ela saiu furiosa depois de jogar o dinheiro da sessão na minha cara e cuspir no tatame. Eu fiquei muito triste por isso.

Um mês depois, seu marido me chamou para ajudar, porque ela de repente começou um câncer de mama duplo que estava se espalhando rapidamente. Eu poderia ajudá-lo a se curar? Minha resposta foi novamente não, mas eu poderia ajudá-la com os efeitos colaterais da quimioterapia que viriam . Ela teve os dois seios removidos e eu ia à sua cama toda semana para ajudá-la a lidar com a dor do tratamento quimioterápico. Então, finalmente, ela se cura graças aos cuidados hospitalares e sua vontade de lutar.

Um ano depois, ela voltou ao meu escritório pedindo para falar. Ela se desculpou por seu comportamento e queria contar sua história.

“Eu venho do interior  bem distante de um país nórdico. Como você sabe, eu tenho uma filha. Ela tem 12 anos agora. Na minha família havia uma espécie de maldição. que cada casal morria cada segundo filho. Como eu só tenho uma filha, pensei que ela poderia morrer e então eu não teria filhos. Eu absolutamente tive que ter um segundo filho.
Minha  melhor amiga em Bruxelas era minha vizinha. Naquela época, eu estava tentando ter um segundo filho há anos. Um dia, minha amiga alegremente veio me dizer que estava grávida. Meu mundo desmoronou. Fechei a porta na cara dela e nunca mais quis vê-la. Com raiva e desespero, comecei a gritar sozinha  em casa. Comecei a bater minha cabeça contra a pia da cozinha até quebrar e desmaiei sangrando. Eu queria morrer por não poder proteger minha filha da morte certa. Foi quando meu marido me encontrou.
A partir de então, passei por fertilização in vitro após fertilização in vitro. Não pude aceitar sua recusa. Agora preciso da sua ajuda para aceitar e deixar ir, porque essa história está me machucando há mais de 10 anos.”

A coragem dos pacientes

Estou escrevendo  esta história, é para falar sobre coragem no Shiatsu. Depois de mais de vinte anos de prática, me deparei com as histórias humanas mais desarmantes, tristes e alegres. Mas acima de tudo, testemunhei a coragem dos pacientes, a verdadeira  coragem. René Ouvrard,um autor francês do século XVII — em seu livro “Débâcle à la Romaine” diz::

“A coragem só existe onde há bom senso e não a explosão irracional de um momento. Por capricho, não se pode realizar uma ação brilhante, mas a verdadeira coragem exige paciência e renúncia”.

É exatamente isso que acontece com nossos pacientes. A primeira coragem é vir consultar um terapeuta de quem nada sabemos e que não é médico. A segunda coragem consiste em falar da sua dor física e depois do seu sofrimento mental, contando a sua história íntima, familiar ou profissional, aquela que dói. A terceira coragem é concordar em trabalhar seus medos, seus bloqueios, suas feridas. A quarta coragem é perseverar durante o auge da terapia, quando a dúvida e a dor estão em fúria. A quinta coragem é a de renascer e empreender uma nova vida com uma nova percepção de si mesmo. Que coragem é preciso abandonar velhas peles, velhos medos, velhos hábitos. Como diz Forrest Gump no filme de mesmo nome: “A vida é como uma caixa de chocolates. Você nunca sabe o que vai receber!Você sabe o que tem, não o que vai conseguir. Ou o que você vai se tornar.

Mas essa coragem é a única maneira de alcançar a resiliência, ou seja, ter força para superar o trauma.

Todos os seres humanos presentes neste planeta são chamados a sofrer, é nosso destino comum com a doença, a velhice e a morte. Mas nem todos os seres humanos necessariamente têm força para superar esse sofrimento. E é aqui que o Shiatsu é uma ferramenta líder para aliviar as pessoas. Por quê ? Porque não é invasivo, porque não tem efeitos secundários ou apenas brevemente, porque respeita todas as camadas do ser humano e sobretudo porque não obriga a nada. Simplesmente dá apoio, como uma bengala que usamos durante a cura, para atravessar um caminho particularmente complicado. E  está sempre ao seu lado, na hora desta travessia.

O resto da história que contei é que a mulher se livrou de sua obsessão de ter um segundo filho para de alguma forma honrar a maldição da família. Sua única filha agora é uma bela jovem que está estudando e sua mãe finalmente voltou toda a atenção para ela. Ela foi capaz de retornar ao trabalho após uma longa recuperação e reconstrução mamária. Desde então, como muitas vezes acontece após um choque desses, ela se interessou por terapias complementares e treinou hipnose e toque terapêutico. Porque quando nos transformamos em profundidade percebemos que as provações finalmente foram oportunidades oferecidas para nos impulsionar a melhorar a nós mesmos. Finalmente,ela foi ver sua vizinha e tentou reconstruir o relacionamento com ela concordando em ver seu filho.

Coragem é dar um passo no vazio.

Coragem dos praticantes

O grande professor americano Stephen Brown me disse uma vez que fazer Shiatsu era “como ir para a guerra nu”. E é verdade!

Nós, praticantes de Shiatsu, estamos completamente nus diante de dores, doenças ou distúrbios psicológicos. Não podemos nos esconder atrás de ferramentas, nem mesmo de uma simples agulha de acupuntura. Só temos nossas mãos. E nossas mãos apenas transmitem o que somos. É preciso coragem para dizer a si mesmo um dia: “Ei, vou cuidar dos outros sem ferramentas, sem nada além do que sou.” Não é um trabalho; é um ato de fé.

Felizmente para nós, mesmo como estudantes, percebemos rapidamente que a técnica do Shiatsu é poderosa o suficiente para obter resultados rapidamente. Mas como nossas mãos apenas transmitem o que somos, isso nos obriga a trabalhar continuamente nosso corpo, nossa mente e nosso conhecimento, bem como nossas habilidades. E fazer isso ao longo da vida requer um compromisso que exige coragem. Mas a maior coragem do praticante é aquela que lhe permite acompanhar o sofrimento dos outros sem sofrer a si mesmo ou ser insensível ao sofrimento dos outros. É um equilíbrio delicado de encontrar, que exige muito trabalho em si mesmo. Às vezes, os pacientes nos forçam a cavar dentro de nós mesmos para encontrar recursos.

Certa vez, tratei de uma mulher que havia sido estuprada durante anos quando era adolescente. A psicanálise a ajudará a compreender toda a extensão de seu trauma, mas seu corpo não a deixava em paz. Todos os tipos de sintomas continuaram a atormentá-la por  25 anos depois. Na primeira consulta, perguntei por que ela tinha vindo. Ela imediatamente ficou com uma raiva terrível e disse: “Então é assim! Você quer saber; você quer saber tudo já? São todos agressores; todos os homens são iguais!” E ela me contou sua história abominável de uma só vez.

Uma hora depois, achou a sessão maravilhosa, contudo , para mim, foi o começo de um pesadelo. Comecei a ruminar sobre essa história, a ficar com cicatrizes, a não conseguir mais dormir e a perder o apetite. Portanto, eu tinha apenas duas opções: interromper o tratamento e encaminhar o paciente a um profissional mais experiente do que eu ou procurar dentro de mim por que estava tão afetado.

Com a ajuda de um amigo psicoterapeuta e de outro praticante de Shiatsu, experimentei o que se chama de “invasão psicológica”. Em outras palavras, fui movido do meu papel de praticante que deseja ajudar uma pessoa para o de um homem associado a agressores do sexo masculino. Essa discrepância violenta em meu papel como praticante não era desejada pelo paciente, mas o estrago estava feito.Se houve sofrimento em mim em relação à história do meu paciente, foi porque houve uma falha.

 A combinação de psicoterapia e shiatsu me permitiu desbloquear rapidamente a situação e continuar os tratamentos mantendo-me sereno. Mas foi preciso, como para todos os nossos pacientes, a coragem de examinar minhas memórias e minhas feridas para retornar ao meu papel neutro e empático de shiatsu shi. Graças a esse trabalho pessoal, os tratamentos continuaram e a pessoa até se tornou uma das minhas alunas. Ela se formou quatro anos depois. Não houve milagre, as lembranças ainda estavam presentes nela. Mas ela conseguiu viver de forma mais tranquila em relação aos homens,fazer planos  e até mesmo começar a vida de  casal.

Se houvesse uma conclusão para todas essas histórias, seria esta: Shiatsu é acima de tudo uma relação entre duas pessoas. Mas as relações humanas são complexas, excitantes, gratificantes e desafiadoras. Pode-se sentir desanimado diante da imensa extensão do sofrimento humano e das exigências que ele impõe aos praticantes. Mas se alguém encontrar coragem para apoiar o próximo e confrontar a si mesmo, então o Shiatsu se torna um magnífico caminho que leva ambas as pessoas a mais luz e humanidade.

Boa prática!


AutorIvan Bel

Ivan Bel

TradutoraAlice Rumi

Alice Rumi
Latest posts by Alice Rumi (see all)